Vamos sair hoje à noite

Aquele pedacinho de pena ainda não chegou ao chão. Aparece quando despenco na cama, ou pego o casaco ou recebo a miséria de sentir que não está mais por aqui. Uma policial soltou o coldre e disse que era um sinal de advertência, enternecida. Os amigos mudaram de assunto na hora. O pneumologista chorou. O capitão do navio olhou para a água passada. O dono da loja de espelhos fechou as portas mais cedo. E o céu está branco demais agora que acordei, mas a culpa é toda minha. Está cheio de fragmentos índigos e era p’ra ser bonito.

Era um boteco em um salinho, fim de jornada dura. Só havia uma mesa naquele piso vermelhão, e deveria ser minha. Eu sempre tinha acabado-de-sair-do-trabalho, e os sapatos de couro bovino me faziam andar ali sem tirar-os-pés-do-solo. Eu estava encharcado de álcool, afundando em qualquer coisa muito ruim. Na mesinha safada, nem sinal de rodas de água, grandes ou pequenas de garrafas ou copos. Só papéis e livros didáticos de anos. Embaixo, uma grade negra para mais volumes. Capítulos marcados com folhas de exercício ou lápis bem desapontados. Nas primeiras páginas, E d u a r d o com uma letra mais bonita, porque mais torta e sem objetivos. Mais verdadeira. E dois homens esperando o segundo combinado para me assassinar.

 

Processed with VSCO with b5 preset

Arquivo pessoal

Esses olhares eu achava conhecer. Uma piada, um sorriso por favor desculpe-me eu não tinha a… As pupilas. Nada funcionava. Não era mau contato. Tudo tinha queimado ali. Piscavam devagar demais. Centímetros de algo muito triste. Seriam muitas palavras, mas principalmente triste. Eu estava sem ar e alérgico de novo. Não respondiam, e os livros e papeis não ficavam nos meus braços, o barulho da queda, e eu até achava que eles cresciam na grade debaixo da carteira escolar com nada escrito nela. Sem revoltas. Todas essas voltas não me livravam dos quatro olhos. Não livrariam. Helpless nunca havia sido bem definida.

Parei de tentar falar, menos pelos gagg gagg gagguejjah do que medo e ineficácia do que eu tentasse. Era um embaraço escolher virar-me para os quatro olhos para não morrer tão desprevenido ou empilhar folhas empoeiradas para sair dali, sentindo as bolas de gude quebradas queimando a nuca e o lado direito da testa, vidro moído no osso, eu arquejava. E os fragmentozinhos de penas de todas as cores faziam um véu tão desorganizado que nunca seriam nuvem. Não choveriam. Algumas peninhas eram índigo. Corri chorando e já estava atravessando o semáforo da comercial. Eu só estava no salinho porque ela…

Oi! As amigas saíram de perto e poderíamos ser de novo nós-contra-o-mundo. Órgãos e guitarras em uma igreja de séculos. Ecos bons. Era isso. Ela sentada contra a parede, num banquinho que emparelhava nossos rostos. Ela ainda tinha 1,6 metro, mas não importava. Deveria estar com as sapatilhas dançando no nada. Com a roupa vermelha de sempre, sem maquilagem. Com aqueles… Mas estou de saída, foi mal, a gente se encontra. Dois anos sem te ver. Claro. Rá Rá. Até. Levantei a mão esticada mas nem viu. Os dois fascínoras chegaram. Chega chega.

Do outro lado da rua, porra, onde você tava, velho! Vamo aí. Vamo, vamo. Você tá bem? Tô, tô, bora. Você parece horrível, se quer saber. Reaja. Vai. Desviar de mesas sociais, conversas horríveis, garçons, degraus menores do que deveriam ser. Vamo aí. Ela de novo ali. Fila da pâtisserie. A cara dela. Por onde eu estive por tanto tempo? Eu vou. Oi. Oi.

Estávamos deitados num colchão refinado, moldado por e com nós. Como piscina de mar rasinha. Debaixo das árvores, na grama, mirando infinito, cegos. Eu me sentia um ex-náugrafo. Com a minha ex-namorada de anos.

Passos na grama são o resquício de um sinal de advertência dos tempos imemoriais de floresta. Poderia ser qualquer fera na quarta-feira. Era um mendigo extremamente agressivo. Não sei o que eu fazia naquele colchão perfeito na relva. Aqueles olhares de novo. Fui correndo tropegando pro carro abre a porta primeiro pega no bolso o outro vai pegar aquele casaco e dei pra ele. Aqui. Sorriu e foi embora, sumindo no túnel sem carros. Ela também havia sumido, claro. Com isso eu já me acostumara, mas em algumas manhãs era mais difícil.

 

ex aspectu nascitur amor

Du Esperanco

Anúncios

Deixe um comentário

Preencha os seus dados abaixo ou clique em um ícone para log in:

Logotipo do WordPress.com

Você está comentando utilizando sua conta WordPress.com. Sair / Alterar )

Imagem do Twitter

Você está comentando utilizando sua conta Twitter. Sair / Alterar )

Foto do Facebook

Você está comentando utilizando sua conta Facebook. Sair / Alterar )

Foto do Google+

Você está comentando utilizando sua conta Google+. Sair / Alterar )

Conectando a %s